Ano 7| Nr.73 | abr 2022

Old _1200x 600


Editorial

O surto de hepatite aguda em crianças reportado em países europeus

 Em 15 de abril de 2022 um alerta da Organização Mundial de Saúde (OMS) referia um surto de hepatite aguda entre crianças, no Reino Unido e Irlanda do Norte de causa desconhecida. Desde aí tem havido um contínuo de casos descritos, restando a dúvida se se trata somente de um aumento de atenção aos casos de hepatite em crianças ou a um real aumento de casos de hepatite.

Até 21 de Abril estavam descritos 169 casos de hepatite de causa desconhecida, e ainda que mais recentemente adenovírus sejam uma causa possível, as investigações prosseguem. Cento e catorze desses casos foram descritos no Reino Unido e Irlanda do Norte mas há casos em Espanha (13), Israel (12), Estados Unidos da América (EUA) - (9), Dinamarca (6), e também na Irlanda, Países Baixos, Itália, Noruega, França, Roménia e Bélgica. Foram entretanto relatados casos no Canadá, Japão e em mais estados dos EUA. Nenhum caso foi relatado em Portugal até à data.

 

Cerca de 10% destes casos (17) precisaram de transplante hepático e todos eles ocorreram em crianças de 1 mês de vida aos 16 anos de idade. Até agora foi reportada uma morte.

 

Muitos dos casos reportados iniciam-se com sintomas gastrointestinais com diarreia e vómitos a preceder a hepatite aguda grave, com icterícia e enzimas hepáticas elevadas. A febre não é comum. Viagens internacionais ou outras ligações a outros países não foram identificadas. Em todos os casos os vírus comuns de hepatite aguda (A, B, C, D, E) foram excluídos.

 

Adenovírus foram detetados pelo menos em 74 destes casos e quando foram feitos testes moleculares 18 foram identificados como tipo 41. Nos 20 casos em que se identificou SARS-CoV-2 ,19 apresentavam também coinfecção por adenovírus.

 

Concomitantemente, quer no Reino Unido quer nos Países Baixos, foi detetado um aumento de infeções por adenovírus na comunidade. As investigações prosseguem com testes toxicológicos, testes adicionais microbiológicos e virológicos e vigilância clínica e epidemiológica ativas. Na verdade esta gravidade dos casos não é explicada pela etiologia por adenovírus, e infeções por adenovírus 41 tipicamente apresentam-se com quadros de diarreia vómitos e febre com concomitância de sintomas respiratórios; os casos com hepatite só foram associados a crianças imunodeprimidas, o que não é o caso neste surto.

 

Enquanto as investigações prosseguem, o Professor Rui Tato Marinho, responsável pelo Programa Nacional para as Hepatites Virais da DGS, reforça a necessidade de cuidados de prevenção de adenovírus e de outros agentes comuns: higiene respiratória e lavagem frequente das mãos, e refere que já foi feito um alerta aos Pediatras. Não há qualquer indicação da OMS para restringir a viagem ou o comércio com o Reino Unido ou qualquer outro país onde haja casos identificados desta hepatite.

 

Os estados-membros europeus deverão investigar e reportar potenciais casos à OMS e agências parceiras. São considerados casos prováveis os casos de hepatite aguda (não hepatite A-E), com transamínases elevadas (AST ou ALT ≥ 500UI/L) diagnosticados em alguém com 16 anos ou menos desde 1 Janeiro de 2022. Aguardam-se dados que permitam o esclarecimento do surto.

 

Cândida Abreu
Médica, Infeciologista

 

 

                                                                  

 

Atualidades na Medicina do Viajante

Raiva

Vários alertas de risco de transmissão de raiva foram emitidos durante este mês através do Promed.

A ocorrência de uma morte por raiva humana num adolescente de 14 anos e a confirmação de 430 casos de raiva em cães na região de Port Elizabeth na África do Sul colocaram as autoridades de saúde locais a priorizarem esta ameaça de saúde acima das preocupações locais com a infeção por COVID-19.

Também no Brasil, nas últimas semanas, ocorreram duas mortes confirmadas por raiva humana em Minas Gerais. As  vítimas eram duas crianças de 12 anos que foram, em eventos separados, mordidas por morcegos hematófagos (vampiros) e desenvolveram raiva, acabando por não resistir à infeção apesar de terem iniciado protocolo de tratamento em cuidados intensivos.

 

 

 

PUBLICAÇÕES SELECCIONADAS

Travel vaccines throughout history. Pavli A, Maltezou HC. Travel Med Infect Dis. 2022 Mar-Apr;46:102278. doi: 10.1016/j.tmaid.2022.102278. Epub 2022 Feb 12. 

 

Pretravel plans and discrepant trip experiences among travelers attending a tertiary care centre family travel medicine clinic. Wong JK, Nashid N, Pell LG, Lam RE, Louch DM, Science ME, Morris SK. PLoS One. 2022 Feb 3;17(2):e0262075. doi: 10.1371/journal.pone.0262075.

 

Primaquine and the power of adherence in radical cure. Grobusch MP, Schlagenhauf P. Lancet Infect Dis. 2022 Mar;22(3):304-305. doi: 10.1016/S1473-3099(21)00389-3.

 

 

REUNIÕES

1. Travel Medicine: 04-08 Maio 2022 Joanesburgo South African Society of Travel Medicine.

2. 1º Seminário de Medicina de Catástrofe. "Pandemias no séc. XXI: Dos riscos à Medicina de Catástrofe": 07-09 Junho 2022, Coimbra. 

3. Introduction to Travel Medicine: Webinar 08 Junho 2022 Asia Pacific Travel Health Society.

4. ICMT 16º International Conference on Travel Medicine: 23-24 Junho 2022, Paris, França.

 

 


 

FICHA TÉCNICA

Edição 
Direção da SPMV

Corpos Diretivos da SPMV
Direção 
Prof. Doutora Cândida Abreu
Faculdade de Medicina da Universidade do Porto
Centro Hospitalar Universitário de São João, Porto
Presidente

Dr. Dinarte Nuno Viveiros
Unidade de Saúde Pública, Agrupamento de Centros de Saúde Pinhal Interior Norte
Centro de Vacinação Internacional, Coimbra
Vice-Presidente

Dr.ª Sandra Xará
Centro de Vacinação Internacional,
Centro Hospitalar Universitário do Porto
Secretária-Geral

Dr.ª Gabriela de Lacerda Saldanha
Unidade de Saúde Pública, Agrupamento de Centros de Saúde Tâmega I – Baixo Tâmega
Vogal Efetiva

Enf. André Silva
Centro de Vacinação Internacional, 
Centro Hospitalar Universitário do Porto
Vogal Efetivo e Tesoureiro

Dr.ª Gabriela Saldanha
Responsável de Conteúdos Editoriais

Mesa da Assembleia Geral 
Prof. Doutor Jorge Atouguia
Clínica de Medicina Tropical e do Viajante
Presidente

Prof.ª Doutora Cláudia Conceição
Instituto de Higiene e Medicina Tropical
Vice-Presidente

Dr. Rui Pombal
UCS – Cuidados Integrados de Saúde (Grupo TAP)
Secretário

 

 

Conselho Fiscal 
Prof. Doutor Saraiva da Cunha
Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra
Presidente

Prof.ª Doutora Filomena Martins Pereira
Instituto de Higiene e Medicina Tropical
Vice-Presidente

Dr. Luís Malheiro
Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho
Vogal

  

 

 












 

 

Supervisão e apoio Técnico Informático
Catarina Reis

Old _1200x 600

 

 

O surto de hepatite aguda em crianças reportado em países europeus

 

II Workshop - Vacinas em Viajantes
Para receber a Newsletter da SPMV por favor deixe-nos o seu email: